O Quénia desenvolve uma base industrial sólida pela CAO ter colhido a quinta parte das exportações

Em 2016, os países membros da Comunidade da África Oriental (CAO) representaram a quinta parte do total das exportações quenianas, segundo o último relatório do ICAEW (Instituto dos Revisores Oficiais de Contas da Inglaterra e do País de Gales). Na edição de hoje do Economic Insight: África Q2 2017, o órgão contabilístico e financeiro afirma que o Quênia deverá lucrar de forma expressiva com o maior crescimento económico dos parceiros regionais, pois poderá beneficiar-se do aumento da procura advindo dessas economias.
 
NAIROBI, Quénia, 5 de julho de 2017, -/African Media Agency (AMA)/- O relatório, feito ao pedido do ICAEW e elaborado pelo órgão parceiro e prognosticador económico, Oxford Economics, apresenta uma breve análise dos desempenhos económicos da região. O parecer centra-se especificamente no Quénia, Tanzânia, Etiópia, Nigéria, Gana, Costa do Marfim, África do Sul e Angola.
 
cbk graphSegundo o relatório, em 2016 o continente africano representou 41% de exportações do Quénia, enquanto a Europa e Ásia representaram individualmente cerca de 25% do total das exportações. A Uganda ocupou a posição de maior destino único de exportação, representando 11% do total das exportações durante 2016.

Os produtos agrícolas como chá e flores compreenderam a maior parte das exportações. No entanto, embora o país tenha vantagem em termos de valor acrescentado em comparação aos pares regionais, a história não tem paralelo fora da África. Os receitas provenientes desses produtos são, em grande parte, determinadas por fatores como preços mundiais dos produtos e condições meteorológicas internas (os quais afetam a produção), e não necessariamente pelo estado do comércio mundial. 

“O Quénia deverá beneficiar do crescimento mais acentuado da região da África Oriental, pois encontra-se bem posicionado para aproveitar a procura crescente por bens manufaturados. Ademais, a localização do país, bem como a infraestrutura de transportes relativamente desenvolvida, irão permitir que o país aja como porta de entrada à região da África Oriental”, afirmou Michael Armstrong, Diretor Regional do ICAEW para o Oriente Médio, África e Sudeste Asiático. 

A CAO é considerada o bloco comercial mais progressista da África. As colaborações em infraestrutura regional alcançaram um nível raramente visto no continente, com a construção em curso de um corredor de transportes de 26 mil milhões de dólares norte-americanos, que liga o Porto de Lamu – Sul do Sudão – Etiópia (o LAPSSET, na sigla em inglês). Além disso, a partir de 31 de julho um sistema de Território Aduaneiro Único (TC) terá entrado em vigor em toda CAO, o que irá facilitar o comércio entre os estados-membros mediante a ligação eletrónica dos sistemas de desalfandegamento dos países. O programa piloto, o qual envolve determinadas mercadorias e pontos de entrada, tem gerado resultados positivos e, se executado com êxito, o TC poderá incentivar o comércio na região de forma significativa, reduzindo os custos das atividades comerciais. 
No entanto, o bloco não está livre de desafios, pois recentementea Comissão Económica para a África das Nações Unidas (CEE/ONU) advertiu contra a assinatura do Acordo de Parceria Económica (APE) entre a CAO e a União Europeia (UE) na sua forma actual, o que não constitui um bom indício da implementação do APE. O Quénia deverá ser o país que mais irá perder sem a celebração do acordo. Por não ser classificado como um país menos desenvolvido, não teria acesso aos mercados isento de direitos e de quotas, nos termos da iniciativa “Tudo menos Armas” da UE. 

Os obstáculos não pautais são outra grande preocupação para os estados-membros da CAO. Uma ferramenta de monitoramento identificou 19 obstáculos não pautais que continuam por resolver. Esses variam desde restrições sobre exportações de carne bovina queniana a Uganda, às exigências de registos, novas rotulagens e novos testes das mercadorias, já certificadas por outros estados parceiros, sobre as empresas que exportarem à Tanzânia. 

Para leitura completa do Economic Insight: Africa, queira clicar em: http://www.icaew.com/en/technical/economy/economic-insight/economic-insight-africa


Distribuído pela African Media Agency (AMA) em nome do 
ICAEW.
 
INFORMAÇÕES À MÍDIA: 
Jamie Douglass 
ICAEW Press Office (assessoria de imprensa do ICAEW ), 
Tel: +44 (0)20 7920 8718 ou correio eletrónico: James.Douglass@icaew.com 

Corazon Sefu Wandimi, 
Tell-Em Public Relations East Africa (relações públicas da África Oriental) – 
Tel: (+254) 20 260 9990 ou correio eletrónico: corazon.sefu@tell-em-pr.com 

NOTAS AOS EDITORES: 

Sobre o ICAEW 1

O ICAEW é uma importante organização de afiliação profissional no mercado, o qual promove, desenvolve e dá suporte a mais de 147 mil revisores oficiais de contas em todo o mundo. Proporcionamos qualificações e desenvolvimento profissional, partilhamos conhecimentos, percepção e perícia técnica, e protegemos a qualidade e integridade da profissão contabilista e financeira. 

Na capacidade de líderes em contabilidade, finanças e empreendimentos, nossos membros possuem os conhecimentos, competências e compromisso necessários à preservação dos padrões e integridade mais elevados. Juntos, contribuímos para o sucesso de indivíduos, organizações, comunidades e economias ao redor do mundo. 

Graças a nós, as pessoas podem fazer negócios com confiança. 

2. O ICAEW é membro fundador do Chartered Accountants Worldwide (Revisores Oficiais de Contas no Mundo) e da Global Accounting Alliance (Aliança Contabilística Global). 

Sobre a Oxford Economics 

A Oxford Economics é uma das principais firmas de consultoria do mundo, a qual presta análises sobre 200 países, 100 indústrias e 3 mil cidades. Sua ferramenta analítica proporciona a capacidade única de fazer previsões das tendências econômicas e dos impactos econômicos, sociais e empresariais inerentes. Com sede em Oxford, na Inglaterra, centros regionais em Londres, Nova Iorque e Singapura, bem como escritórios ao redor do mundo, a Oxford Economics emprega uma das maiores equipas mundiais de especialistas em macroeconomia e liderança de pensamento.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on StumbleUpon
Back to news listing