A remessa de rendimentos vai impulsionar o crescimento económico em África

Apesar de uma desaceleração económica, a maioria dos países Africanos têm uma perspectiva económica positiva. Isto de acordo com o último relatório do ICAEW (Instituto dos Revisores Oficiais de Contas de Inglaterra e do País de Gales). Numa visão económica: África Q3 2018 lançado hoje, o corpo contabilístico prevê o crescimento do PIB para várias regiões, incluindo a África Oriental, que está previsto em 6,3%, a África Ocidental e Central em 2,9%, a Zona Franca em 4,6%, o Norte da África em 1,8% e a África do Sul em 1,5%. O relatório destaca as remessas como um dos principais impulsionadores económicos para a maioria dos países Africanos.

LUANDA, Angola, 20 de setembro de 2018, -/African Media Agency (AMA)/- O relatório encomendado pelo ICAEW e produzido pelo parceiro e analista Oxford Economics, fornece um retrato do desempenho económico da região. As regiões incluem; a África Oriental, a África Ocidental e Central, a Zona Franca, o Norte da África e a África Austral.
icaew 1De acordo com o relatório, a África Oriental continua a ser a região do continente com melhor desempenho, com uma previsão do PIB a 6,3%. Esta perspectiva positiva deve-se à diversificação económica da região e ao crescimento impulsionado pelo investimento. A Etiópia continua a ser a potência da região, com uma previsão de crescimento de 8,1%, graças às recentes reformas do novo primeiro-ministro Abiy Ahmed.

Na África Central e Ocidental, o crescimento previsto é de 2,9%. O crescimento restrito na região é devido à actividade económica não petrolífera subjugada pela Nigéria – potência da região. O Gana, em contrapartida, é o país com melhor desempenho na região, com um crescimento previsto de 6,5%.

Michael Armstrong, Diretor Regional do ICAEW no Médio Oriente, África e Asia do Sul disse: “Apesar da recente queda do crescimento; todas as regiões de África estão projetadas para relatar uma perspectiva económica positiva, esperando-se que a remessa de rendimentos seja um importante impulsionador económico nos próximos meses. “
O crescimento na zona franca está previsto em 4,6%, impulsionado em grande parte por um aumento de 7,4% na maior economia da região, a Costa do Marfim, onde o investimento está a impulsionar a rápida expansão.

O Egito no Norte da África está previsto em 5,3%, como resultado de reformas estruturais e de políticas, que impulsionaram a produção e o investimento. O setor do turismo do condado também continuou a sua recuperação. Da mesma forma, a Líbia deverá registrar um crescimento de 16,5%, devido às melhorias registadas na produção de petróleo após o conflito civil.

A África Austral tem sido afetada por um contínuo crescimento lento pela região da África do Sul, com um peso médio de 1,5%. Angola, outro líder económico da região, tem a mesma previsão de 1,5%. Acredita-se que o forte crescimento em Botsuana e na Zâmbia tenha pouco efeito sobre o desempenho geral da região.

icaew 2A remessa de rendimentos foi enfatizada no relatório como um importante fator económico para a maioria dos países Africanos. A Nigéria foi o maior receptor de remessas no continente. A potência económica da África Ocidental recebeu 29% ($ 22 bilhões) do total de remessas para o continente em 2017, principalmente do Golfo, EUA e Reino Unido.

O Egito foi o segundo maior receptor de remessas no continente, com $ 20 bilhões em remessas. Um dos países destacados onde os fluxos de remessas continuam a desempenhar um papel importante em termos de contas externas é o Gana. De acordo com o Banco Mundial, os fluxos de remessas totalizaram $ 2,5 bilhões em 2014: o equivalente a cerca de 18,6% das exportações totais desse ano. No entanto, em 2017, os fluxos de remessas subsequentemente diminuíram para $ 2,2 bilhões, o equivalente a 15,8% das exportações.

O crescimento económico do Uganda foi reportado como tendo recuperado marcadamente no ano passado. Espera-se que o país registe um excedente de cerca de 5,6% do PIB este ano, apoiado pela ajuda aos projetos e aos fluxos de remessas.

O relatório observa que, apesar de as remessas desempenharem um papel importante nas economias Africanas, as políticas deverão concentrar-se na redução do custo da remessa de fundos.

O relatório completo sobre a Visão Económica em África pode ser encontrado aqui: https://www.icaew.com/technical/economy/economic-insight/economic-insight-africa

Distribuído pela African Media Agency (AMA) em nome do ICAEW.

INFORMAÇÕES À MÍDIA:
Jamie Douglass
ICAEW Press Office (assessoria de imprensa do ICAEW ),
Tel: +44 (0)20 7920 8718 ou correio eletrónico: James.Douglass@icaew.com

Joel Chacha, Tell-Em Relações Públicas da África Oriental, +254 20 260 9990 ou email joel.chacha@tell-em-pr.com

NOTAS AOS EDITORES:

Sobre o ICAEW

1. O ICAEW é uma importante organização de afiliação profissional no mercado, o qual promove, desenvolve e dá suporte a mais de 147 mil revisores oficiais de contas em todo o mundo. Proporcionamos qualificações e desenvolvimento profissional, partilhamos conhecimentos, percepção e perícia técnica, e protegemos a qualidade e integridade da profissão contabilista e financeira.

Na capacidade de líderes em contabilidade, finanças e empreendimentos, nossos membros possuem os conhecimentos, competências e compromisso necessários à preservação dos padrões e integridade mais elevados. Juntos, contribuímos para o sucesso de indivíduos, organizações, comunidades e economias ao redor do mundo.

Graças a nós, as pessoas podem fazer negócios com confiança.

2. O ICAEW é membro fundador do Chartered Accountants Worldwide (Revisores Oficiais de Contas no Mundo) e da Global Accounting Alliance (Aliança Contabilística Global).

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on StumbleUpon
Back to news listing